O porquê que faz a diferença

Publicado por Milton Terra
02/11/2010
Categoria:

Atualmente, é comum verificarmos nos jornais e revistas diversas notícias e casos de sucesso sobre empresas ou pessoas.

Em geral, todas elas tratam de resultados, e nesse caso leia-se “números”, como faturamento anual, percentual de dominio do mercado, ou ainda ampliação de patrimonio tanto das pessoas físicas quanto juridicas envolvidas.

Mais especificamente, vemos a valorização do imediatismo e da superficialidade com que fatos e méritos são tratados. Por exemplo, são vistos constantemente anuncios dos homens mais ricos do mundo, com informações simplistas com basicamente o nome, foto e fortuna acumulada do relatado.

Além disso? mais nada . Ou seja, como eles chegaram até lá? Por quanto tempo estão lá? O que foi desenvolvido, construído, criado pela empresa que os fez chegar a tal patamar? Não é dito. E o porquê, creio ser o momento onde o imediatismo é tratado como mais importante, não importando de onde veio ou pior, para onde segue o caminho por eles iniciados.

Vemos o problema desse imediatismo que o mundo (representado pelas revistas) valoriza, analisando os mesmos dados. Verifica-se que no ranking das 100 maiores empresas listadas num determinado ano, apenas uma pequena parte manteve-se na lista por mais de 10 anos, e ao analisar quais delas eram centenárias, o quadro mostra-se ainda pior. Ou seja, as empresas (tidas como maiores e mais fortes) desaparecem em questão de anos ! E isso não é mais do que um reflexo da forma como definem seus objetivos e porquês de existência. As empresas que possuem valores bem definidos e com metas que vão além do lucro são as que conseguiram se manter e de fato fazer história.

O resultado imediatista onde o lucro é visto como base principal e meta única geram fracas bases de sustentação para uma empresa, que é sempre e invariavelmente composta por pessoas. Pessoas que somente motivadas (e sentindo-se parte de algo) poderão tornar a empresa em algo também maior, dando continuidade a mesma assim como querem para suas vidas e ideais de seus trabalhos.

Dessa forma, qual o objetivo da sua empresa? SE for faturar 10% mais que no mês anterior, ao invés de, por exemplo, proporcionar a evolução da equipe e do conhecimento de todos em prol de uma melhor qualidade do produto/serviço desenvolvido juntamente com a melhora da qualidade de vida e aumento da felicidade dos envolvidos no processo, através de um ambiente mais participativo, motivante e livre da alienação…prepare-se para ela sumir da lista em menos tempo do que você imagina.

O valor do questionamento, a fim de melhorar e corrigir os próximos passos, faz toda a diferença no final e transcorrer da jornada, de uma empresa e dos que a definem.

1 Comentário

  • Reply

    Por Ronaldo em 21 de November de 2010 às 4:28

    Muito bom texto, lendo eu lembrei de um cara “Toxic Bob” que esteve na lista dos 500 caras mais ricos do mundo da Forbes.
    Sobre o “relatado”:
    O cara comprava terras em paises mais pobres, com menor regras na extração de minérios e etc… e só pensava nos lucros, quando a terra não tinha mais recursos para oferecer, ele simplesmente ia embora. Como muitos sabem usam metais pesados para isolar alguns tipos de minérios.
    Agora a pergunta… cadê o Toxic Bob? ;)





Desenvolvido por hacklab/ com WordPress